Para o mundo


 

O Carbonell é, hoje, um dos melhores colégios da minha cidade, Guarulhos. É para onde vou toda manhã às 9, às vezes às 10 da manhã ou até um pouquinho mais tarde. É o lugar onde, como gestor de marketing, atualmente eu trabalho. “A Gente Te Prepara Para O Mundo” é o slogan que adotei para o Colégio Carbonell um ano depois que assumi meu departamento, na campanha publicitária de 2017. Porque preparar para o mundo, hoje em dia, é muito mais do que preparar para o vestibular; envolve o lado humano que vai além dos conteúdos e da briga por vagas nas universidades; envolve a relação com a família, com a formação cidadã do indivíduo e tudo aquilo que nos faz ser capaz, na vida adulta, de curtir e enfrentar a realidade de modo a se doar e aproveitar tudo que o mundo tem de melhor a oferecer. Daí o “A Gente Te Prepara Para O Mundo”, slogan que criei para o Carbonell, provável destino de Emanuel, meu querido filho, quando adentrar o período escolar.

Deus conosco. O significado de seu nome inundou a sala de parto muitas horas depois do início do estímulo. Se considerarmos a visita à obstetra pela manhã para a última verificação — afinal, nasceria mesmo no dia 12 de junho? —, o trabalho de parto começou bem antes, por volta das 11 da manhã. Significa dizer que Emanuel foi estimulado no ventre de Amanda, minha amada esposa, ao longo de longas 9 horas até que pudesse, num parto normal, nascer às 20h42 do mais inesquecível dia 12, dos Namorados, de todos. Todo o trabalho aconteceu numa ampla sala apropriada para partos normais, capaz de receber uma grande equipe médica e o pai: no caso do nascimento de Emanuel, além da obstetra e sua assistente, duas enfermeiras, uma pediatra, três anestesistas especializadas e, como mero espectador, eu. Senti medo, insegurança, quis falar, ajudar, interferir, mas Deus, talvez por ter recebido um pedido do menino prestes a nascer, sabiamente me orientou para que ficasse quietinho, de canto, emocionado, assistindo à equipe trabalhando harmoniosamente como uma sinfonia para que Emanuel viesse ao mundo.

Desde pequeno, sonho em ser pai. Quando recebi, há pouco, a visita da pediatra e o relatório de alta de Amanda e Emanuel, pensei “Willian, você, enfim, tornou-se pai e chegou a hora de levar o seu filho ao mundo, para que viva e conheça o que há por aí”. Mas serei eu, um mero espectador, preparado para isso? Serei capaz de orientar meu filho de modo que ele viva bem neste mundo lindamente louco em que vivemos? Sentado no sofá do quarto da maternidade e ouvindo o chuveiro que banha Amanda, escrevo, digito, percebo: chegou a hora! A hora de preparar para o mundo, o que envolve, já diria no Colégio Carbonell, a relação com a família, com a formação cidadã do meu filho e tudo aquilo que fará a gente ser capaz de curtir e enfrentar a realidade de modo a se doar e aproveitar tudo que a vida tem de melhor a nos oferecer. Seria eu, Pai, preparado para isso?

Sim, Emanuel. Aqui, juntos, a gente te prepara para o mundo.

    Deixe seu comentário